Apoio

Inserido numa unidade orgânica de uma instituição do Ensino Superior (Instituto Politécnico do Porto), o NAID assumiu-se desde sempre como um importante instrumento de apoio direto aos alunos com deficiência que ingressam no Instituto Politécnico do Porto.

Para além de garantir uma completa acessibilidade dos espaços a alunos com dificuldades motoras, os seus serviços contemplam também o acesso à informação de alunos cegos ou com baixa visão, através de actividades como digitalização de textos e adaptação de materiais, impressão em Braille, apoio à consulta online através de plataformas b-learning, cedência temporária de equipamentos (pacmate, bengalas, pcs portáteis com leitor de ecrã, etc.) ou prestação de serviços de apoio e/ou formação, com especial incidência na tiflotecnologia.

Alunos Ens. Sup. Politécnico – Reconhecendo a necessidade de integrar numa rede mais vasta de centros especializados que se possam complementar, vem tentando a participação do ensino politécnico em conhecidos grupos de trabalho até agora apenas relacionados com as universidades. Para além da adaptação de materiais pedagógicos, foi também criado um Dicionário Temático, com o apoio dos alunos do Curso de Tradução e Interpretação em Língua Gestual Portuguesa, estando previstas outras iniciativas que envolvam os próprios alunos da ESE.

Atividades de inclusão digital em parceria com instituições de solidariedade social e com o Curso de Educação Social da ESEIPP e Desenvolvimento de competências na utilização de recursos tecnológicos em atividades da vida diária (Multibanco, comandos eletrónicos, teletexto etc)

Apoio a alfabetização e aquisição de literacia através das TIC e criação de espaços de convívio e socialização com recurso a estratégias baseadas na telemática (videoconferência por webcam, sessões de chat com familiares e amigos, etc.). No caso da deficiência visual, os recursos técnicos existentes no NAID aliados a um know-how cada vez mais complementado com a experiência de cidadãos cegos a colaborar em regime de estágio profissional através de parcerias com as associações, dão-nos a confiança de possuir as condições necessárias para uma intervenção positiva nesta área. Para além da formação ministrada, muitas têm sido as solicitações para atividades de mera consultadoria e aconselhamento, tendo em conta que a evolução tecnológica nesta área é geralmente mais rápida que a capacidade de a acompanhar.

No que diz respeito à intervenção social e combate à info-exclusão, outras parcerias ligadas a instituições de solidariedade social têm-nos também proporcionado a possibilidade de trabalhar junto de populações de idosos e doentes mentais em ambulatório, através de acções de formação e certificação em competências básicas em TIC ou mesmo de literacia tecnológica para actividades da vida diária.

  • Actividades de inclusão digital em parceria com instituições de solidariedade social e com o Curso de Educação Social da ESEIPP.
  • Desenvolvimento de competências na utilização de recursos tecnológicos em actividades da vida diária (Multibanco, comandos electrónicos, teletexto etc).
  • Apoio a alfabetização e aquisição de literacia através das TIC – Diploma de Competências Básicas.
  • Criação de espaços de convívio e socialização com recurso a estratégias baseadas na telemática (videoconferência por webcam, sessões de chat com familiares e amigos, etc.).